5 Passos para não faltar dinheiro no caixa

por Patricia Basilio

A inadimplência voltou a preocupar as instituições financeiras e os órgãos de proteção ao crédito. Embora ninguém esteja prevendo um cenário catastrófico para 2015, um conjunto de fatores sinaliza que os atrasos nos pagamentos tendem a se intensificar daqui para a frente, com o maior endividamento das famílias e o menor poder de compra devido à inflação.

Para as empresas, gerenciar o risco da carteira de clientes se torna ainda mais essencial. Os consumidores endividados tendem a esticar seus pagamentos ao máximo ou, pior, deixam de pagar — algo desastroso para o fluxo de caixa de um pequeno negócio em crescimento.

Muitos empreendedores cometem dois erros clássicos ao lidar com esse cenário. O primeiro: não fazer nenhum trabalho preventivo e correr atrás do mau pagador após o problema ter estourado. O segundo: partir para o tudo ou nada, cortando relações com o cliente, em vez de tentar um novo relacionamento. Veja como montar um programa eficiente de combate à inadimplência.

1. Estude o fluxo de caixa

A primeira providência é fazer um diagnóstico do fluxo de caixa. Deve-se avaliar o limite máximo que a empresa suporta em pagamentos atrasados e vendas parceladas sem que seja necessário recorrer a empréstimos de capital de giro ou à antecipação de recebíveis.

“De modo geral, o valor dos pagamentos em atraso não pode representar mais do que 4% do faturamento”, afirma Fernando Cosenza, diretor da Boa Vista SCPC, especializada em análise de crédito. É comum encontrar pequenas e médias empresas oferecendo aos clientes condições de pagamento iguais às de grandes concorrentes ou suportando altos índices de calote, ainda que não tenham o mesmo fôlego financeiro.

Atenção: “Quando a empresa vende a prazo ou flexibiliza débitos em atraso, ela está, na prática, emprestando dinheiro para o cliente”, diz Cosenza. “É um custo que não pode ser ignorado.”

2. Crie uma política de crédito

Depois de detectadas as limitações financeiras, é hora de oficializar uma política de crédito. O manual deve conter formas e prazos de pagamento, percentual de juro a ser cobrado nas faturas em atraso e condições de parcelamento. Os especialistas recomendam que sejam definidos ainda incentivos para certos tipos de pagamento, com menos risco de calote.

“Um exemplo: se nos últimos seis meses o valor dos cheques sem fundo tiver sido equivalente a 8% das receitas e isso for superior às taxas cobradas pelas operadoras de cartão, será indicado estimular as vendas por cartão”, diz Ricardo Rabinovich, da consultoria Crowe Horwath.

A política também deve estabelecer vantagens para os clientes pontuais e para os que pagam à vista. “Pontuações em programas de fidelidade, descontos e brindes são alguns dos incentivos indicados”, diz Rabinovich.

As condições devem ser atualizadas conforme muda a conjuntura econômica. Recentemente, a loja online de produtos automotivos Itaro endureceu sua política de crédito para reduzir a inadimplência registrada em 2013 — 1,5% do faturamento.

Parece pouco. Mas no caso da Ítaro, que tem tíquete médio de 1 000 reais e receitas em torno de 10 milhões de reais, o calote representou perdas de 150 000 reais. “Contratamos sistemas antifraudes, e agora as vendas para clientes novos são autorizadas somente depois que um funcionário obtém referências em serviços como Serasa e SCPC”, diz Jan Riehle, fundador da Itaro. Em 2014, a inadimplência caiu para 1%.

Atenção: Certifique-se de que as condições de pagamento estejam explícitas nos contratos de venda ou de serviço e exibidas com destaque nas faturas e no site da empresa.

3. Divida os clientes em grupos

Grande parte dos inadimplentes costuma estar entre os clientes antigos. “A empresa precisa manter um histórico de pagamentos e monitorá-lo continuamente”, afirma Viviane Magalhães, gerente da Serasa Experian.

A recomendação é separar os clientes em três grupos, conforme o grau de risco — um para os que sempre pagaram em dia, outro para os que atrasam esporadicamente e um terceiro para os inadimplentes de carteirinha. O histório ajuda a abrir uma exceção se um cliente demanda uma política de crédito diferente da habitual.

Há poucos meses, a paulista Full CRM, empresa que vende softwares de gestão na nuvem, adotou uma política distinta para o grupo de devedores de baixo risco. Em vez de interromper o serviço (o que normalmente ocorre após 15 dias de atraso na mensalidade), a empresa passou a fornecer dois meses de uso gratuito para que o cliente se recupere financeiramente.

“Tivemos essa ideia depois de notar que 10% dos inadimplentes cancelavam o serviço alegando falta de dinheiro, reduzindo nossa chance de sanar a dívida”, diz João Nunes, fundador da Full CRM. “Em 2014, quase zeramos esse tipo de evasão.”

Atenção: Às vezes, é difícil analisar o histórico de pagamentos em empresas muito novas. A saída é se basear em dados como o perfil dos sócios e o mercado em que atuam.

4. Use tecnologias para analisar o crédito

Uma forma de manter os dados dos clientes em dia e se precaver antes de fechar negócio com um novo contato é lançar mão da tecnologia. A mais simples é a consulta ao crédito, um tipo de serviço que revela pendências de pagamentos, protestos e participações societárias.

As ferramentas mais completas fazem cruzamento de dados e apontam a probabilidade de um cliente honrar suas dívidas numa escala de pontos. Custam em torno de 30 reais por consulta.

Atenção: No caso de clientes corporativos, uma boa fonte de informação é a internet. Numa busca online é possível descobrir pistas sobre a situação de uma empresa, como conhecer a trajetória dos sócios e obter imagens do escritório e das fábricas.

5. Implante um sistema de cobrança

Um levantamento feito pela Serasa Experian em 2011 mostra que, quanto maior é o atraso, mais distante fica a possibilidade de ver um inadimplente quitar a dívida. A chance de receber uma fatura atrasada é de 60% nos primeiros 30 dias — e vai caindo ao longo do tempo.

Apenas 30% das contas com mais de dois anos de atraso são pagas algum dia. Em outras palavras, não demorar para cobrar contas em atraso pode fazer a diferença entre receber e ficar com o mico na mão. “Cobrança deve ser um processo sistemático e conduzido por funcionários com autonomia para negociar”, diz Rabinovich, da Crowe Horwath.

O ideal é que a empresa tenha um cronograma detalhado do que deve ser feito desde o primeiro dia de inadimplência — e de como continuar lembrando o cliente de sua dívida. Aí entram telefonemas, envio de e-mails, cartas registradas e até a cobrança judicial, um artifício para o último estágio de negociação.

Atenção: Os funcionários devem ser treinados para seguir à risca o Código de Defesa do Consumidor. “O devedor não pode ser constrangido com ameaças ou ter sua dívida exposta a terceiros”, afirma Luiz Guilherme Mendes Barreto, advogado do escritório Mendes Barreto e Souza Leite.

Pela mesma razão, o empreendedor deve redobrar os cuidados ao optar por serviços de cobrança terceirizados. Em muitos casos, a Justiça entende que o contratante é corresponsável pela má conduta do cobrador.


Fonte: PME
Fonte da imagem: Clique aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Outras Informações

Sobre a ACTIO

A ACTIO é uma consultoria empresarial que transforma suas ideias em realidade baseado nas necessidades de seus clientes.

Saiba mais...
Vamos ver

Downloads ACTIO, aproveite para baixar materiais, planilhas, ebooks, tudo para ajudar VOCÊ e SUA EMPRESA.

Descubra
Proposta

Se VOCÊ gostou do que temos, vamos ao trabalho? Solicite sua proposta e veja como podemos ajudar VOCÊ e SUA EMPRESA.

Solicite

Receba nossas atualizações